sexta-feira, 22 de abril de 2016

Coisas que Ofendem - Política da Ofensa - Brasil

Há que se ter cuidado com as coisas que ofendem alguma parte...
A nossa liberdade de expressão não pode ser tão libertária, tão libertina, tão absoluta...
Não se pode chamar uma moça de feia ou gorda...
Não se diz a um cristão que Cristo não vale nada...
Não se diz à Mãe de Santo que sua crença não é válida...
Há que se ter ponderação...
Havemos de tentar enxergar ao menos duas hipóteses antes da conclusão...
Vi um vídeo que bradava pela democracia e o fim da minha profissão...
Eu, que sempre prezei pelo bem social e pela democracia nas suas formas mais básicas que é garantir o direito das pessoas, me vi, nas palavras de Gregório Duvivier, aviltado...
Quando se generaliza qualquer coisa, qualquer grupo, qualquer profissão, qualquer partido, qualquer religião; corre-se o risco de ofender, de denegrir (ou talvez seja o objetivo)...
O rábula citado deveria ter algum cuidado com as palavras, ao menos quando estiver falando sério, pois a comédia suporta e se sustenta também das distorções sociais, nas cores, nos borrões e nas hipérboles, mesmo sem legitimidade...
Fala-se muito, no Brasil, sobre muitas coisas, mas não há debate razoável, há conhecimentos parcos sobre algumas coisas...
Algumas vozes se levantam para trazer um pouco de luz aos que param para ouvir, como faz o Professor Leandro Karnal e alguns outros pensadores contemporâneos...
As falácias são repetidas e decoradas, mentalizadas e metabolizadas, viram verdades, mesmo sem fundamento...
O empirismo nos faz concluir, mas a pesquisa, a ciência traz prova e contraprova para estabelecer um percentual conclusivo...
E, insisto, são as hipóteses que devem permear o pensamento, não as conclusões...
Ser contra ou a favor de alguma coisa é fácil, árduo é mergulhar no universo das coisas; ver a guerra pelos olhos do Soldado.
Poeta Moderno - Dignidade Profissional - https://www.youtube.com/watch?v=VhlCrI9LiPM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

seu comentário é bem-vindo